sexta-feira, 8 de julho de 2011

FÓRMULA PRA SABER SE SEU PASTOR GANHA BEM

1º) Calcule a Quantidade de Horas Semanais Trabalhadas pelo Pastor : QHSTP 


Para fazer esse cálculo você precisará ter algumas informações:

a) Quantos dias seu pastor vai à igreja?
b) Quantas horas ele fica na igreja nos dias em que está presente?
c)  Agora é só multiplicar a quantidade de horas pela quantidade de dias

2º) Calcule a Quantidade de Horas Mensais Trabalhadas pelo Pastor: QHMTP

a) Para fazer esse cálculo você precisa multiplicar a Quantidade de Horas Semanais Trabalhadas pelo Pastor  (QHSTP) por 4 (quantidade de semanas no mês). Assim:

QHMTP = QHSTP  X  4

3º) Calcule o Custo da Hora Trabalhada pelo Pastor: CHTP


a) Para fazer esse cálculo você precisará dividir o Salário do Pastor pela Quantidade de Horas Mensais Trabalhadas pelo Pastor (QHMTP). Assim:

  CHTP =   SALÁRIO : QHMTP

3º) Agora calcule o Salário Real do Pastor, considerando que ele tivesse a mesma jornada de trabalho que qualquer outro membro das igrejas têm: SRP


a) Para fazer esse cálculo pegue o CHTP já calculado no item 3 e MULTIPLIQUE  por 160 (que é a quantidade de horas trabalhadas por 90% dos membros das igrejas, numa jornada de 40 horas semanais).

b) O RESULTADO será o REAL salário do seu pastor (se ele cumprisse a mesma carga horária que os membros das igrejas, geralmente, cumprem e, claro, se a igreja pudesse pagar).


Vamos testar pra ver se a fórmula funciona mesmo? 


SRP = CHTP X 160

SIMULAÇÃO:

4º) Um pastor frequentando culto de oração (2 horas) + culto doutrinário (2 horas) + escola dominical (3 horas) + culto vespertino  (2 horas) + reuniões extras - suponhamos que toda semana tenha (3 horas), dá um TOTAL DE HORAS POR SEMANA (QHSTP) de  12 horas.

5º)  Multiplicando essas horas por 4 (quantidade de semanas por mês), você encontrará a  QHMTP (Quantidade de Horas Mensais Trabalhadas pelo Pastor)  =  48 horas mensais.  

6ª) Geralmente um pastor ganha em torno de 5 salários mínimos, ou seja,  R$ 2.725,00. Não esqueça que isso é apenas uma simulação. Seu pastor pode ganhar bem mais que isso.


7ª) Vamos agora calcular o CHTP (Custo da Hora Trabalhada pelo Pastor):


R$ 2.725,00 : 48 (QHMTP)  =  R$ 56,77 (Custo de 1 (uma) Hora Trabalhada do Pastor).


8º) Agora vamos finalmente calcular o SRP (Salário Real do Pastor):

CHTP:  R$ 56,77 x 160h (quantidade de horas mensais trabalhadas pela maioria dos membros das igrejas) = R$ 9.083,33.


Pronto. Cálculo feito. Viu como é fácil? Esse é o Salário Real que seu pastor ganharia se trabalhasse a mesma quantidade de horas que você trabalha. Um bom salário, não? 

24 comentários:

  1. Rapaz o que não faz a contadoria da UNICAP. KKKKKKKKK.
    Sabia que eras filósofo, mas, não sabia que trabalhava num sindicato. kkkkkkkk.
    A tua soma de horas está equívocada, ou seja, tu esquecesse que os estudos, os sermões, e etc, não são frutos da chegada do pastor na igreja, seja para o Culto vespertino, ou um Culto de Doutrina... Isso leva horas (não necessariamente na igreja). E o que dizer das inúmeras visitas, aconselhamentos, e os demais atos pastorais: casametos, funerais, isso não entra nos teus cálculos? Bem, estou apenas tentando te mostrar alguns detalhes que percebi que você esqueceu. Mas, aproveito para te dar uma dica (sei que você não precisava). Quando quizeres fazer uma comparação, não faça olhando um único lado, avalie os dois. Por exemplo: Seu caso em particular, você tem dia certo de receber o seu salário (geralmente recebe de uma única vez, nem todos os pastores têm esse privilégio); Tem uma carteira assinada; Tem recolhimento de FGTS; Os seus filhos e esposa podem se beneficiar de alguns benefícios proporcionados pelo seu emprego, e por aí vai. Entendo que você têm razão quando relembra alguns "pastores" (mercenários) que aproveitam a situação ministerial para se benificiar, mas, não esqueça NUNCA, cada caso é um caso. Procure só ter cuidados para NUNCA generalizar.

    ResponderExcluir
  2. Essa é uma realidade cada vez mais almejada por muitos aspirantes ao pastorado.Os seminários estão repletos de homens que visam a renda e não o amor pela obra.

    Que o diga aqui em minha cidade,existem igrejas reformadas,que estão a mais de cinco anos sem pastor.

    Será que o salário é baixo ,ou em cinco anos Deus não vocacionou ninguém??

    As escrituras revelam que digno é o obreiro do seu salário, porem ,acredito que os verdadeiros chamados e vocacionados,não são dominados pelo amor aos bens terrenos.

    Paz e graça Fabio!!!

    ResponderExcluir
  3. Mesmo com os acréscimos sugeridos a conta fecha bem alta, afinal, em uma jornada de 40 horas semanais menos as 12 horas encontradas pelo filósofo-contador, restariam 28 horas (o filósofo-contador ainda foi generoso porque a jornada de trabalho é de 44 h/semanais, kkk). Bem, das 28 horas, quantas vão para velórios, casamentos e preparar os sermões? Pense numa ré que o história e debate deu aí em cima!!! kkkkkk. O filósofo-contador deu um cruzado de direita dessa vez. kkkkkkk. Provocador é pouco. kkkkkk.

    ResponderExcluir
  4. Cláudio, a recomendação que fiz para o filósofo calvinista, serve também pra você. Veja o seu caso em particular. Você um "miseravél" professor do Colégio Militar, (não)TEM dia certo de receber o seu salário (e se não me falho a memória, deve ser um mínimo - kkkkkk - lembrei de Cinderela: oh mulê dá uma pena. kkkkk); (não)TEM um recolhimento de FGTS; (não) TEM uma aposentadoria certa (e deve está bem pertinho. Fico imaginando a cena, depois que estiveres aposentado. Uma vidinha mais o menos _ Livraria Cultura, Cinema, Teatro...); e também acho que você(não) TEM uma carteira assinada, e por aí vai... Sem falar que assim como o filósofo Calvinista, vocês, tem um compromisso apenas com um relógio, ou seja, Hora de pegar, largar e dá uma boas voadas (kkkk, aqui foi mau), em outras palavras, bater o cartão. kkkkkk. Vocês lembram quantas vezes foi necessário, o seu "chefe" ter que lhes covocar por que houve um problema num fériado, ou até mesmo, num belo período de sono? NUNCA!!! Sem falar que, se porventura isso acontecer um dia, vocês só irão, por causa da horinha extra. E olhe lá, se essa for compensadora. kkkkk. Desculpe-me a recomendação, mas, aí vai mais uma: NÃO inventem de falar do que vocês não conhecem. Se ministério pastoral para vocês, resumem-se nesses cálculos, repito: Vocês estão tratando do que não sabem. Tenho pena dos pastores de vocês. A eles meus pesames. kkkkkkkkkk

    ResponderExcluir
  5. Ah, eu esqueci. Nas 28 horas restantes, além de não ter velório todo dia (ainda bem),ainda dá para, eventualmente, ser professor ou fazer um mestrado. kkkkkkkkkkkkkk.

    ResponderExcluir
  6. Pois é, meu caro Cláudio... falasse tudo, e não disseste nada. kkkkkkkk. Quanto a dá aula, nada impede. E quanto a tentar qualificá-se, isso é o minímo que o pastor deve fazer. kkkkkkkk
    Sim, falando em mestrado, o filóso calvinista já terminou o dele, e você por sua vez estás tentando também. Que mau há se um pastor também fizer? Já sei, é pecado para vocês. kkkkkkk.

    ResponderExcluir
  7. Visite o blog CREIO E CONFESSO
    www.creioeconfesso.com
    Rev. Agnaldo S. Mariano

    ResponderExcluir
  8. Recebi um email de um pastor amigo sugerindo que eu deveria me retratar por essa postagem por causa de sua suposta inevitável generalização. Ele argumenta que "muitos" pastores são pastores 24 horas por dia.

    A princípio achei que deveria mesmo fazer uma retratação. Depois vi que não precisava. Não estou aqui falando de todos os pastores; obviamente que não. Só daqueles que trabalham menos (muio menos) do que deveriam, para a igreja. Sendo assim, para essa postagem não cabe retratação. Antes, pelo contrário, para "muitos" pastores, não para todos, obviamente, ela deveria ser um alerta, uma provocadora de mudança de foco em seus ministérios. Antes que a igreja, a liderança, conselhos ou assembleias de membros, percebam o quando a igreja está desassistida, sem ser devidamente pastoreada, sem visitas aos membros, sem a presença do pastor, sem projeto de evangelismo, parada, raquítica, etc, etc, etc.

    Esse pastor amigo recomendou que eu lesse um texto de John Piper: "Irmãos, nós não somos profissionais". Certamente um texto riquíssimo que sai, de forma justa e correta, em defesa de "muitos verdadeiros pastores", mas que poderá, por vezes, deixar mais acomodado ainda os pastores acomodados (e não são poucos).

    Deixo como sugestão de leitura, para os pastores compararem seus ministérios e para a igreja cobrar mais de seus pastores, o seguinte livro: "O Pastor Aprovado", de Richard Baxter.

    Veja o que Philip Doddridge escreveu sobre esse livro:

    "O Pastor Aprovado é um livro fenomenal... extraordinário. Muitos ministros são apenas sombras do que poderiam ser se seguissem esforçadamente os conceitos e princípios expostos nesse tratado incomparável".

    ResponderExcluir
  9. Claro que Fábio fez uma provocação nesta postagem e não está se referindo a todos os pastores. Mas é algo demais o pastor receber 5 salários para ir a uma igreja no interior apenas no sábado e domingo, como é o caso de inúmeras igrejas da própria IPB.

    ResponderExcluir
  10. Fábio e Cláudio, quero dá esse assunto para mim como encerrado, mas, antes gostaria de colocar mais algumas observações do que penso (tendo em vista que vocês continuam insistindo). Fábio, você sabe como as coisas funcionam. Se tem algum pastor que você conhece que faz isso que você menciona, denucie, ou seja, faça um documento (não é isso que você aconselha as pessoa fazerem). Até porque é bom que se saiba que, a IPB não aprova tal atitude desses pastores que você menciona. Quando você aconselha a igreja, a cobrar do seu pastor, você não está com isso, estimulando a rebeldia? Fábio, o caminho mais uma vez repito, não é esse, se a igreja não está satisfeita com o seu pastor, tem um Conselho que deve tomar as providências, e não você estimular que membros tenham tal atitude. Os membros tem o Conselho da sua igreja, e esses tem por sua vez, os Presbitérios, Sínodos, Supremo Concílio. É bom também que você deixe claro que nem todos os pastores estão nesse patamar que você citou, isto é, ganhando cinco saláriso minímos. Conheço inumeros pastores que mesmo tendo o direito, por ver que a igreja não tem condições, se submetem a ganhar bem menos, e assim fazem com prazer. Outro detalhe que você não menciona é que, muitos (muitos mesmo) quando vão receber o seu salário, parecem que estão mais mendigando, parece que a "igreja" está lhe fazendo um favor (você sabe disso). Há quem pense que pastor não tem família, compromissos com datas, e por pensarem assim, pagam ao pastor como querem, ou melhor, se dá para pagar pagam, se não, que o pastor tenha paciência. Podería falar um pouco mais... E Cláudio, desculpe-me a insistência, mas continuo achando que você está falando de algo que não conhece. Que ver um exemplo? Veja o que você diz:"... o pastor receber 5 salários para ir a uma igreja no interior apenas no sábado e domingo, como é o caso de inúmeras igrejas da própria IPB." Quais são essas inúmeras igrejas no interior? Talvez você tenha conhecimento de caso isolado. Mas, particularmente não conheço essas igrejas todas. E meu irmão o conselho que dei a Fábio, também te dou, faça um documento e denuncie esses picaretas (pois prá mim, esses nunca foram patores). Dizer que o texto tem a finalidade de denunciar esses "pastores", o mesmo acabou atirando em tudo que é gente, e atingiu as pessoas erradas. E como disse, quer denunciar, lembre as suas recomendações, há os trâmites legais. Faça isso!!!

    ResponderExcluir
  11. Caríssimo História e Debate:

    Antes de qualquer coisa o parabenizo pela coragem de opinar sobre esse assunto.

    Não cabe aqui falar em trâmites legais e denúncias, em primeiro lugar porque nem mesmo pensei em algum nome em específico quando da formulação desse post,logo, não há a quem denunciar (mas posso começar a pensar e não terei muitas dificuldades). Em segundo lugar, mesmo que se entenda que esses cálculos servem para a grande maioria dos pastores, não há aqui pecados a serem denunciados. No máximo erro de foco, erro de dedicação ao ministério, passividade das lideranças e liberalidade cega dos membros das igrejas.

    Outra coisa: desde quando uma "justa" cobrança é estimular rebeldia contra a liderança? Pelo contrário, desde que seja feito com respeito e seriedade, isso é, às vezes, essencial para o ministro, para o oficial e para toda a igreja.

    Concordo plenamente que,infelizmente, nem todos os pastores recebem côngruas indexadas a cinco salários. Infelizmente, porque em muitos casos, isso seria o mínimo de justiça, em outros tantos, nem tanto.

    Cláudio:

    Exatamente para evitar comentários como o seu (16/07) é que seve esse post. Não fique falando,apenas APLIQUE A FÓRMULA...rs. Aliás, faça isso nesse caso que você citou. Estou curioso pra ver o resultado...rs. E não vá seguir o conselho de História e Debate pra denunciar ninguém não se não você é quem vai se quebrar,pois uma denúncia só é procedente quando há um caso de pecado. O que, absolutamente, não existe neste caso, pois a liderança e a igreja entendem que deve ser assim. Onde está o pecado a ser denunciado?

    ResponderExcluir
  12. Será que esse valor compensa? será que essa pessoa é digna de receber tudo isso?

    Acho que sim, os políticos ganham mais para fazer tudo o que fazem.

    ResponderExcluir
  13. Olá Filósofo Calvinista.
    Achei muito interesante seu trabalho, e apartir de hoje estarei seguindo e acompanhando ele. Conheci seu trabalho no blog do Professor Pascoal.
    Estarei aguardando sua visita para conhecer meu trabalho.
    http://www.construindohistoriahoje.blogspot
    Um abraço,
    Leandro CHH

    ResponderExcluir
  14. Fábio, prometi que para mim o caso estava encerrado, mas como você insiste em defender o seu ponto de vista, não posso me ausentar, tendo em vista que pode aparentar que você está com razão, algo que não concordo. Veja a aberração do seu procedimento mais uma vez ao aconselhar Cláudio: "...não vá seguir o conselho de História e Debate pra denunciar ninguém não se não você é quem vai se quebrar,pois uma denúncia só é procedente quando há um caso de pecado. O que, absolutamente, não existe neste caso, pois a liderança e a igreja entendem que deve ser assim. Onde está o pecado a ser denunciado?" O irmão é presbítero esqueceu disso? Ou seja, é assim que você procede quando alguém denuncia (quebra alguém)? A denúncia é o procedimento correto para se evitar fofocas, disse-me-disse, e por aí vai. E para que não haja esse tipo de procedimento na igreja, a IPB como você bem sabe funciona com documentos. Pois bem, explicado isso, veja outro grande problema nas suas afirmações, no conselho que você continua dando a Cláudio:"...uma denúncia só é procedente quando há um caso de pecado. O que, absolutamente, não existe neste caso, pois a liderança e a igreja entendem que deve ser assim. Onde está o pecado a ser denunciado?" Há dois problemas sérios aqui que você comete. Primeiro você afirma que a IPB, e a igeja local é conivente com os pecados cometidos por esses "pastores" (picaretas). Segundo, você afirma que o procedimento cometido por esses "pastores" (picaretas), não são pecados. Se isso não é pecado, é o que então? Dá para perceber as dificuldades nas sua afirmações? E acho que, quanto mais você tenta dá alguma justificativa nessa sua INFELIZ postagem, só há de complicar cada vez mais a situação.

    ResponderExcluir
  15. Caro História e Debate:

    Acho que o senhor não entendeu os "conselhos" que dei a Cláudio. De fato, não há pecados a serem denunciados, no caso em questão. Por isso usei a expressão "quebrar",pois é o que acontece, justamente,com todo aquele que acusa indevidamente. Por favor, não distorça minhas palavras. E tem outra coisa: em momento algum citei a IPB. Por favor não inclua palavras no meu post...rs.

    Veja: se a liderança da igreja (qualquer ela que seja) acertar com um pastor (qualquer ele que seja) um valor de côngruas de R$ 5.000,00 para ele ir à igreja apenas aos domingos à noite, com a concordância da igreja, que pecado há nisso? Por que chamas esse pastor de picareta? Muito embora se aplicado nossa fórmula os valores sejam astronômicos, ainda assim,não configura pecado, em minha opinião.

    ResponderExcluir
  16. Cláudio e História e debate, que coisa feia, parecem crianças arengando.rsrsrs, vou puxar a orelha.

    ResponderExcluir
  17. Convidamos vocês para nossa próxima programação, o Fé e Razão com o Pr. Alfredo de Souza, com o tema \"Evangelizando para a glória de Deus\", ocorrerá nos dias 30/07 e 01/08, na Igreja Presbiteriana de Brotas. Para aqueles que não poderão ir, será possível assistir online pelos canais: http://www.ipb.org.br/tv12/ e http://www.livestream.com/tvip​bbrotas

    Para maiores informações entrem em contato conosco pelo Facebook ou pelo Twitter: http://twitter.com/#!/IPBrotas

    Abraços e contamos com vocês!!!!

    ResponderExcluir
  18. Hipócritas. Vocês não sabem o que é ser pastor de verdade. Não sabem e nem entendem a responsabilidade de pastorear vidas. Ser responsável pela doutrina, conselho, pregação etc... Não é a toa que Paulo manda dar dobrados honorários aos presbíteros que presidem bem, pois se afadigam na palavra e no ensino. Vocês querem comparar o ofício de um pastor com um advogado, um engenheiro ou médico? Medicos que inclusive ganham em torno de 15.000 Rs para as vezes ficar dizend que você tem uma virose e mandar você pra casa. E você, """filósofo""" """calvinista""", achando muito 5 salários para um pastor? Será que Calvino concordaria com isso? Coitado do teu pastor.
    Diogo

    ResponderExcluir
  19. Prezado Diogo:

    Obrigado por sua opinião e contribuição nesse assunto. Acho que você não entendeu direito.

    Ninguém está dizendo que o pastor não é digno de "redobrados honorários" (mas nem todos o são, conforme a própria bíblia que você bem cita). Tão pouco alguém disse que um médico ou um advogado é mais importante que um pastor.

    Apenas, o que está se dizendo aqui é que dependendo do tempo que ele dedica à igreja, como no exemplo acima (48 horas mensais) ele está ganhando "absurdamente" bem.

    E se acho muito 5 salários para um pastor? Dependendo do tempo que ele dedique à igreja acho sim. Absurdamente muito.

    Por outro lado, existe uma infinidade de afazeres para um pastor, que se feito (visitas, projetos, evangelismos,etc) 5 salários é pouquíssimo.

    Suponha que seu pastor ganhe 5 salários apenas para pregar no domingo à noite. Você acha isso muito ou pouco?

    Com relação ao meu pastor, não o chame de coitado, pois ele tem dedicado muito tempo de trabalho à igreja e só não recebe um valor maior porque a igreja,infelizmente, não pode oferecer.

    ResponderExcluir
  20. Vamos recalcular a QHSTP pensando na MAIORIA dos Pastores:

    1) Acrescente na reunião de oração (2 horas) + 2 horas para preparo = 4 horas
    2)Acrescente na reunião doutrinária (2 horas) + 3 horas para preparo = 5 horas
    3) Acrescente na escola dominical (3 horas) + 3 horas para preparo = 6 horas
    4) Acrescente no culto vespertino (2 horas) + 3 horas para preparo = 5 horas
    5) Acrescente nas outras atividades (3 horas) + 3 horas para preparo = 6 horas
    6) Considere as visitas realizadas = 5 horas
    7) Considere o tempo gasto em aconselhamentos = 5 horas
    8) Até aqui deu = 36 horas
    9) Agora considere que o Pastor não bate ponto e que onde quer que ele esteja está preocupado com o casal que está pensando em se separar, no filho que está dando trabalho para os pais, na filha do casal que está ameaçando fugir de casa, nos crentes que estão dando mau testemunho no cidade... resumindo, o Pastor não se desliga do seu trabalho.

    10) Considerando que uma semana tem 168 horas:
    - Vamos subtrair 56 horas (8 horas de sono por noite)
    - Vamos subtrair 24 horas (1 folga semanal)

    CONCLUINDO, O PASTOR TRABALHA 88 HORAS POR SEMANA

    Agora vamos usar a fórmula:

    1) QHSTP = 88 horas
    2) QHMTP = 352
    3) CHTP = 7,75 (2.725/352)
    4) SRP = 7,75 X 160 (hs trabalhadas pelos membros) = 1.240,00

    Olha só o resultado real do salário = 1.240,00
    Eu acho que o salário pastoral é o suficiente mas discordo que o Pastor esteja ganhando um valor idevido em relação ao que os membros ganham.

    O ruim deste artigo é que está nivelando os Pastores por baixo. Exceções de pessoas que não honram o que ganham existe em qualquer categoria!!

    Abraços!!!

    ResponderExcluir
  21. Prezado Evanderson:

    Obrigado por seus cálculos. Gostaria muito que ele fosse mais real e verdadeiro que o meu. Todos nós sabemos que os meus cálculos se aproximam mais da realidade; pelo menos da maioria esmagadora dos pastores, sobretudo de igrejas tradicionais.

    Quem dera toda semana os pastores dedicassem pelo menos 5 horas por semana (o que ainda seria pouco) para visitas e mais 5 para aconselhamentos (o que também já seria irrisório).

    Quem dera também que os pastores dedicassem muito tempo de suas vidas a pensar sobre os problemas dos membros da igreja. Tudo seria diferente. Bem diferente mesmo. O que vemos hoje são ovelhas desgarradas sem nenhuma assistência. Sem contar das inúmeras pessoas que vivem dilemas nas igrejas e os pastores nem tomam conhecimento; muitas vezes porque não perguntam nem se interessam. Afinal têm muitos outros afazeres que fazem no horário que deveriam dedicar ao seu "trabalho", ao seu ministério.

    Quanto às horas extras de preparação da reunião de oração, doutrinária, etc, acho difícil ser isso tudo...rs. Contudo, essas horas extras já estão mais ou menos contempladas em minha fómula, pois a maioria das reuniões (principalmente semanais) não duram 2 horas, nem toda semana tem reunião (3 horas)..e por aí vai.

    Além disso, caríssimo, estamos falando do tempo dedicado na igreja e para a igreja. Pois, como professor, se a faculdade considerasse esse tempo extra de preparação de aulas e pesquisas, acho que já estaria rico...rs. Mas isso não é computado, mas apenas os momentos em sala de aula. Prepação, correção, noites em claro pesquisando e outros afazeres são "ossos do ofício". Por que só os pastores devem ter esse tempo computado?

    Tudo de bom!

    ResponderExcluir
  22. Nossa, é incrível como questões referentes a dinheiro causam certos contratempos;
    Parabéns Fábio pela coragem em expor os seu ponto de vista e seuas cálculos, num blog que é SEU e permite que opiniões contrárias sejam aceitas; quem tem blog aberto é assim. História e Debate também defendeu com unhas e dentes sua posição, mas foi infeliz em querer mudar o nosso pensamento em relação a isso. Gente, opinião é opinião, não somos obrigados em concordar e aceitar, ele gritou, berrou e não mostrou o, precisaríamos que fosse provado o contrário. E outra coisa, em nossos blogs usamos os termos que queremos e ninguém ouse a querer nos "quebrar"...

    ResponderExcluir
  23. e o história e debate ainda censura os comentários, que eu já tentei comentar e só sai depois de aprovado. o filósofo aqui pelo menos é mais rochedo.

    ResponderExcluir
  24. Prezado Anônimo:

    Obrigado por sua participação em nosso pequeno debate. Nosso blog não tem, realmente, moderação nos comentários. Aqui é comentou postou. Contudo, a opção pela moderação é um direito de cada blogueiro. Tudo de bom!

    ResponderExcluir

Divulgue meu Blog no seu Blog